Mandato do deputado Ságuas se solidariza com as famílias Quilombolas despejadas

Foto: Gonçalina Eva Almeida de Santana

Cerca de 17 famílias foram despejadas de uma área de 117 hectares na comunidade de Mata Cavalo, em Nossa Senhora do Livramento, na segunda-feira (09.10). A ação promovida pela Polícia Federal (PF) é resultado de uma liminar concedida pela Justiça Federal. O mandato do deputado federal Ságuas Moraes (PT) acompanhou a ação para prestar apoio aos quilombolas.

A posse da área ocupada pelas famílias é reclamada juridicamente pelos filhos de Elzio Saldanha, cujos bens imóveis seguem em espólio. As informações preliminares são de que Elzio teria “doado” a terra à comunidade tradicional e agora os filhos tentam reaver a propriedade. Além da retirada dos moradores, a PF também começou a derrubada das residências. São 17 no total.

Os atuais moradores ocuparam a região há cerca de dois anos, segundo as famílias, e todos são provenientes da comunidade de Mata Cavalo. Neste ínterim, casas foram construídas no local e os moradores começaram a plantar e criar animais.

A maioria dos pertences dos despejados foi deixada na Escola Estadual do Quilombo, Professora Tereza Arruda e frente à área onde as famílias moravam. De acordo com a líder comunitária Gonçalina Almeida Silva, as famílias ocuparam a área porque não tinham onde morar e viviam a espera de uma decisão que concedesse o título da propriedade.

“Eles viviam a beira da estrada e Mata Cavalo é reconhecido pelo Governo Federal ao mesmo tempo que quem diz ser dono daquela terra não tem documento para comprovar”, disse.

Durante o despejo a Assessoria do deputado seguiu com representantes da comunidade, CIMI, CPT/MT e o Defensor Público Estadual, o Dr. Roberto Vaz Curvo, até a sede da Justiça Federal, em Cuiabá. Ficou definido que o órgão estudará a sua decisão para emitir novo parecer. As famílias Quilombolas reclamam da decisão que não poderia ser de despejo, pois contavam com um prazo maior para análise da situação emitido pelo INCRA. Também reclamaram da falta de tempo para retirarem os pertences.

Mata Cavalo

A comunidade foi reconhecida pelo Governo Federal em 1999, mas alguns proprietários não-quilombolas que viviam na região continuam por lá, uma vez que o Incra ainda não indenizou alguns desses moradores, permitindo a retirada deles do local. (Com informações do Olhar Direto)

Assessoria de Imprensa

Deputado Federal Ságuas Moraes (PT-MT)